RELAÇÕES AFETIVAS E MULHERES NEGRAS: OBJETO SEXUAL OU SOLIDÃO.

Tamyres Laysla Messias, Malú Flávia Porto Amorim

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a afetividade e a solidão da mulher negra partindo do ponto de vista de que as relações afetiva-sexuais estão relacionadas com a dimensão racial. É histórico o tratamento desumano dado às mulheres negras, não sendo autorizadas sequer a demonstrar seus sentimentos ou escolher livremente seus parceiros. Se para as mulheres o exercício dos principais direitos eram tolhidos, no tocante as mulheres negras a situação era ainda pior. Relatos históricos apresentam que as mulheres brancas representavam a candura, inocência e fragilidade, enquanto as mulheres negras poderiam aguentar os mais cruéis tratamentos. Atualmente, os crescentes percentuais de mulheres negras solitárias deixa clara a seguinte situação: ou a mulher negra é objetificada sexualmente ou é condenada a viver sozinha. A partir dessa análise se verificará teorias como a da degenerescência racial e a do branqueamento sob a justificativa da necessidade de fomento da discussão de tão importante e atual tema. O problema a que se pretende abordar seria como as questões raciais e o recorte histórico da escravidão e suas consequências que perduram até hoje no Brasil, refletem na afetividade das mulheres negras.


Palavras-chave


feminismo; Brasil; relacionamentos; escravidão.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. (2005). A dominação masculina. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro.

DEL PRIORE, M. (2013). Histórias e Conversas de Mulher. Planeta: São Paulo. 1 ed.

EVARISTO. C. (2003). Gênero e Etnia: uma escre(vivência) de dupla face. UFPB. I Seminário Internacional Mulheres e Literatura.

___________. (2006). “Escrevivência” em becos da memória. Mazza: Belo Horizonte.

HOOKS. B. (1995). Intelectuais negras. Estudos Feministas, n. 2.

KILOMBA, G. (2012). Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Unrast Verlag: Munster.

PACHECO, A. C. L. (2013). Mulher negra: afetividade e solidão. ÉDUFBA: Salvador.

PATEMAN, C. (1993). O Contrato Sexual. Tradução de Marta Avancini. Paz e Terra: São Paulo.

RIBEIRO, D. (2017). O que é lugar de fala? Letramento: Belo Horizonte.

RIBEIRO. M. (2015). Mulheres negras brasileiras: de Bertioga a Beijing. Revista de Estudos Feministas, v. 3, n. 2.

SAFFIOTI, H. I. B. (2011). Gênero, patriarcado, violência. Editora: Expressão Popular, reimp.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Espirales