PROJETO DECOLONIAL E ARRANJOS TRANSMODERNOS. A AÇÃO DAS MULHERES INDÍGENAS NO MOVIMENTO ZAPATISTA.

Cristian Jobi Salaini, Laura Marquesan Eschberger

Resumo


Tomando como marco central a insurreição zapatista após a homologação do NAFTA, este artigo busca identificar as principais reivindicações elaboradas pelas mulheres do movimento, a fim de compreender como a etnicidade e o gênero dialogam na construção dessa nova narrativa. A partir de una leitura teórica crítica à colonialidade, busca-se apontar como a mesma se manifesta dentro do contexto mexicano e como as ações das mulheres zapatistas reforçam as reivindicações étnicas ao mesmo tempo em que tensionam os discursos feministas de matriz ocidental. Sendo assim, o presente artigo tem o intuito de analisar como a presença das mulheres dentro do EZLN fez com que o mesmo se tornasse um importante ator nas práticas antissistêmicas, um projeto transmoderno que desafia os limites da modernidade colonial.


Palavras-chave


EZLN; Movimento indígena; Colonialidade; Mulheres Zapatistas

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Espirales