ESPAÇOS ENTRE MULHERES NA LUTA CAMPESINA LATINOAMERICANA

Renata Rodrigues Marques, Amanda Krein Antonette

Resumo


Esta pesquisa aborda as maneiras pelas quais as mulheres trabalhadoras rurais latino-americanas se estabelecem como sujeitos de luta, promovendo práticas de empoderamento e luta política, e questionando a invisibilidade do trabalho das mulheres (produtivo e reprodutivo). A partir disto, busca-se compreender de que forma espaços entre mulheres impulsionam a construção dos sujeitos de luta femininos, reconhecendo elementos comuns entre as lutas de mulheres trabalhadoras rurais. Na América Latina, a Rede de Mulheres Rurais da América Latina e Caribe (Rede LAC) atua como  ponte de diálogo das lutas de mulheres campesinas, tornando visíveis os elementos compartilhados entre lutas singulares. Na compreensão de que a América Latina é sócio-econômica e culturalmente heterogênea, utiliza-se também a experiência brasileira, da Marcha das Margaridas, como um exemplo. O artigo abordará em um primeiro momento os conceitos de sujeito de luta e de espaço entre mulheres, bem como as formas como mulheres trabalhadoras rurais se constroem enquanto sujeitos de luta. Na segunda seção o enfoque será nas experiências desenvolvidas no espaço da Rede LAC, e em seguida, na Marcha das Margaridas. Finaliza-se abordando os horizontes interiores e alcances práticos destas lutas.


Palavras-chave


Luta Campesina; Trabalhadoras Rurais; América Latina; Rede LAC; Marcha das Margaridas

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, Vanete; Prieto, Immaculada Lopez (coord). (2007). Uma história muito linda: Perpetuando a Rede LAC = Una historia muy linda: Perpetuando la Red LAC / Rede de Mulheres Rurais da América Latina e Caribe. Rede LAC: Recife.

Cardoso Pimenta, Sara Deolinda. (2013). Participação, Poder e Democracia: Mulheres Trabalhadoras no Sindicalismo Rural. In Moreira Silva, Eduardo; Barros Soares, Leonardo. (orgs). Políticas Públicas e Formas Societárias de Participação. FAFICH/UFMG: Belo Horizonte.

Marcha das Margaridas. (2003). Texto base para a Marcha das Margaridas.

Marcha das Margaridas. (2007). Carta da Marcha das Margaridas.

Marcha das Margaridas. (2011). Carta da Marcha das Margaridas.

Cordeiro, Rosineide de Lourdes Meira. (2004). Além das secas e das chuvas: o uso da nomeação mulher trabalhadora rural no sertão de Pernambuco. In Prêmio Margarida Alves: Coletânea sobre estudos rurais e gênero. Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (nead): Brasília.

Deere, Carmen Diana. (2004). Os Direitos da Mulher à Terra e os Movimentos Sociais Rurais na Reforma Agrária brasileira. Revista Estudos Feministas: Florianópolis.

Deere, Carmen Diana; LEÓN, Magdalena. (1998). Mujeres, derechos a la tierra y contrareformas en América Latina. Debate Agrario, n. 27 (129-154): Lima.

Faria, Nalu. (2014). As mulheres e a produção de alimentos: Uma perspectiva feminista para o debate. SOF: Brasília.

Faria, Nalu. (2009). Economia Feminista e agenda das mulheres no meio rural. In Butto, A (Org). Estatísticas Rurais e a Economia Feminista: Brasília.

Federici, Silvia. (2004). Calibán y la bruja: mujeres, cuerpo y acumulación originaria. Traficantes de Sueños: Madrid

Federici, Silvia. (2013). El feminismo y las políticas de lo común en una era de acumulación primitiva. In Revolución en punto cero. Trabajo doméstico, reproducción y luchas feministas. Traficantes de Sueños: Madrid.

Furtado, Victoria; y Grabino, Valeria. (2018). Alertas feministas: lenguajes y estéticas de un feminismo desde el sur. (Artículo inédito). Universidad de la República: Montevideo.

Gutiérrez, Raquel. (2013). ¿Es fértil todavía la noción de “movimiento social” para comprender la lucha social en América Latina? Cátedra Jorge Alonso: Guadalajara.

Gutiérrez, Raquel; Sosa, Maria Noel; y Reyes, Itandehui. (2018). El entre mujeres como negación de las formas de interdependencia impuestas por el patriarcado capitalista y colonial. Reflexiones en torno a la violencia y la mediación patriarcal. Revista Heterotopías. Córdoba.

Pateman, Carole. (1988). The Sexual Contract. Stanford University Press: Stanford

Segato, Rita Laura. (2013). La escritura en el cuerpo de las mujeres asesinadas en Ciudad Juárez. Tinta Limón: Buenos Aires.

Segato, Rita Laura. (2002). Identidades políticas y alteridades históricas: una crítica a las certezas del pluralismo global. Nueva Sociedad 178 (104-125): Buenos Aires.

Silva, Berenice Gomes da. (2008). A MARCHA DAS MARGARIDAS: resistências e permanências. In Prêmio Margarida Alves: Coletânea sobre estudos rurais e gênero. Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (nead): Brasília.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Espirales