RESSIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA E HISTORIOGRÁFICA NA AMÉRICA LATINA: UMA PERSPECTIVA DECOLONIAL DA FUNDAÇÃO DO ESTADO-NAÇÃO E DOS FORJAMENTOS DAS IDENTIDADES NACIONAIS NA ZONA LATINOAMERICANA

Cauê Almeida Galvão

Resumo


Aborda debates que entrecruzam a transdisciplinaridade que caminha no entorno das Ciências Humanas, desde a história, educação e antropologia até a construção de um processo possível de reconstrução histórica e historiográfica da zona latinoamericana. A ideia de zona de indiscernibilidade, à luz de Deleuze e Guattari, referencia a não divisão de processos, por meio de construções históricas com recortes de delimitação geográfica ou cultural. Portanto, neste ensaio, a denominação zona conecta-se à tentativa de compreender o devir humano, desprendendo-se da estrutura dualógica que constrói as identidades nacionais, consolidadas sobre os pilares divisionais da estrutura colonizadora de superioridade/inferioridade e é posta através das sensações, controles dos corpos, linguagens e construção histórica eurocêntrica do real e do imaginário, pressupondo a negação da diversidade. Ao invés de transformação, objetiva propor a crítica contemporânea e coincidente com o processo coletivo de desconstrução dos padrões educacionais e culturais, atrelado ao processo de decolonialidade dos saberes e poderes, bem como a síntese do conceito foulcautiano de biopolítica. Nesse contexto, as teorias da colonialidad/decolonialidad, acrescidas à reflexão crítica  sobre os processos educacionais, poderá contribuir para a compreensão da interferência nos processos de garantia das múltiplas identidades na zona latinoamericana.


Palavras-chave


Identidades nacionais; desconstrução historiográfica; decolonialidade.

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? 3.ed. Tradução de Bento

Prado Júnior e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: 34, 2010.

D’ELIA FILHO, O.Z. Indignos de vida: a forma jurídica da política de extermínio de inimigos na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan, 2015.

DUSSEL, E. 1492: el encubrimiento del outro - hacia el origen del mito de la modernidad. Bolívia: CLACSO, 1994.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes,

FREYRE, G. Casa-Grande e Senzala. 2. ed. São Paulo: Global, 2005.

GALEANO, E. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. Porto Alegre: L&PM, 2011.

GROSFOGUEL, R. Racismo Epistémico, islamofobia epistémica y ciencias

sociales coloniales. Tabula Rasa, v.14, p.341-355, 2011.

MENESES, G.G.L. La identidad de América en larga duración: ni occidental, niibérica, solo diversa. In: CRUZ, C.A.S.; CORAZZA, G.; SOUZA, N.A. de. (Orgs.). América Latina: olhares e perspectivas, Florianópolis: Insular, 2015.

PACHECO DE OLIVEIRA, J. (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e

reelaboração cultural no nordeste indígena. 2.ed. Rio de Janeiro: LACED, 2004.

SOLON, P. Es posible el Vivir Bien: Reflexiones a Quema Ropa sobre

Alternativas Sistémicas. Bolívia: Fundación Solo, 2016.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In:

LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e Ciências Sociais.

Perspectivas latino-americanas, Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil, São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1995.

RUIZ, L.M; RODRÍGUEZ, E.C. La Regeneración revisitada: pluriverso y

hegemonía en la construcción del estado-nación en Colombia. Medellín: La

Carreta, 2011.

WALLERSTEIN, I. O Sistema Mundial Moderno. v.1. Cidade do Porto:

Afrontamento, 1990.

ZAFFARONI, E.R. O inimigo no direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Espirales